TJ-MT bloqueia salário de policiais que se recusaram a receber presos devido à greve

 TJ-MT bloqueia salário de policiais que se recusaram a receber presos devido à greve

jurinews.com.br

Por Redação JuriNews
30/12/2021 12:05

Atendendo pedido do Governo do Estado, o desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), Pedro Sakamoto, aplicou uma multa de R$ 11 mil (10 salários mínimos) contra sete policiais penais que se negaram a receber presos em decorrência da greve da categoria que completou duas semanas.

Desde já, também foi autorizado o bloqueio mensal de 30% nos salários desses servidores para pagamento da multa, resultado de descumprimento de decisões judiciais que declararam ilegal o movimento grevista.

Na decisão, assinada nesta quinta-feira (30), o magistrado plantonista também determinou que a multa diária de R$ 50 mil que já tinha sido imposta aos diretores do Sindicato dos Servidores Penitenciários de Mato Grosso (Sindspen-MT), também seja estendida aos diretores regionais da entidade sindical. 

A greve dos policiais penais foi deflagrada no dia 12 deste mês. Eles exigem reajuste salarial e equiparação com outras categorias da segurança pública, como as Polícias Civil e Militar. Contudo, o Tribunal de Justiça concedeu três decisões a favor do governo declarando a ilegalidade do movimento.

Pedro Sakamoto relata sem seu despacho que a Pastoral Carcerária encaminhou um ofício requerendo a adoção das medidas necessárias ao encerramento da greve dos policiais penais.

O subprocurador-geral de Justiça, Deosdete Cruz Junior, também peticionou nos autos pedindo aplicação de multa de 10 vezes o valor do salário mínimo aos policiais penais Fabio Aguiar, Ivanei Pereira Dias e Pablo Henrique da Cruz Gonçalves, lotados na Cadeia Pública de Campo Novo do Parecis (396 km de Cuiabá). Apresentou como motivo a recusa dos servidores em receber detentos no último dia 25 (Natal).

Pediu ainda que a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) informasse os nomes dos servidores escalados para trabalhar na unidade prisional de Campo Novo do Parecis nos dias 20 e 27, para que também sejam multados. Para o Ministério Público Estadual, a aplicação da multa se faz necessária por causa da desobediência às decisões judiciais proferidas anteriormente.

Por sua vez, o Estado relatou algumas das providências adotadas para a responsabilização dos policiais penais que descumprirem as decisões proferidas pelo Tribunal de Justiça e forneceu a identificação de alguns dos servidores para a aplicação imediata da multa.

Também requereu autorização do desconto em folha de pagamento dos servidores no limite de 30% das respectivas remunerações, até que seja atingido o valor da multa arbitrada, caso não sejam encontrados ativos financeiros para bloqueio. Outro pedido do Estafoi para que a multa de R$ 50 mil fosse estendida também a todos os diretores regionais do Sindspen-MT.

O desembargador Pedro Sakamoto acolheu os pedidos. “Entendo pertinente determinar a aplicação de uma multa de 10 (dez) vezes o valor do salário mínimo aos policiais penais Fabio Aguiar, Ivanei Pereira Dias e Pablo Henrique da Cruz Gonçalves, lotados na Cadeia Pública de Campo Novo do Parecis/MT, por força da negativa no recebimento de presos no último dia 25″, diz trecho da decisão que cita um relatório produzido pela Polícia Civil.

“A propósito, registre-se que esses três indivíduos constam da relação fornecida pelo Estado de Mato Grosso em sua manifestação subsequente”, diz trecho do despacho.

Conforme o desembargador plantonista, a aplicação de multa de 10 salários mínimos se faz necessária aos seguintes policiais penais: Ney Martins Lima Neto, Ramos Dourado do Nascimento, Fabio Aguiar, Ivanei Pereira Dias, Pablo Henrique da Cruz Gonçalves, Rafael Cintras Costa e Mario de Figueiredo.

Em relação aos diretores regionais do Sindspen-MT, o bloqueio de contas para pagamento da multa de R$ 50 mil só poderá ser efetivado mediante comprovação de descumprimento da determinação de retorno às atividades após a publicação da nova decisão. 

“Finalmente, e sem prejuízo da suspensão de pagamento dos salários dos servidores públicos grevistas lotados nos estabelecimentos prisionais nos dias em que seja verificado o descumprimento das decisões já proferidas por este Tribunal de Justiça, como determinado no último dia 24, entendo pertinente autorizar o desconto em folha de pagamento das multas efetivamente aplicadas, até 30% da remuneração mensal do servidor, caso não sejam encontrados ativos financeiros suficientes para bloqueio, até o limite do valor total da sanção. Comunique-se o Juízo Plantonista da Comarca da Capital para que promova os bloqueios ora determinados, concernentes às multas aplicadas aos policiais penais mencionados”, escreveu Pedro Sakamoto. 

Com informações do FolhaMax

Deixe um comentário
Leave a Comment