Início dos trabalhos Presidente do TJ-RN abre Ano Judiciário com destaque para modernização e cidadania

O Ano Judiciário na Justiça Estadual potiguar foi aberto, oficialmente, na manhã desta quarta-feira (9), pelo presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, desembargador João Batista Rebouças, durante a primeira sessão administrativa de 2019. A sessão solene, que contou com todos os desembargadores presentes, à exceção de Judite Nunes, por licença médica, substituída pelo juiz convocado Luiz Alberto Dantas, também serviu para que o novo gestor da Corte potiguar antecipasse a principal meta para o próximo biênio: modernização.

“Modernização com responsabilidade e comprometimento com a cidadania”, definiu o presidente do TJRN, ao destacar que o Tribunal será orientado por essas duas palavras de ordem, que estão, na avaliação do novo gestor, guiando o judiciário estadual.

“O nosso rumo é no caminho do processo judicial eletrônico. Um caminho certo. Pretendemos que todas as etapas processuais se tornem eletrônicas”, antecipou Rebouças, o qual esteve a frente do Comitê de Informática da Justiça Estadual na gestão do desembargador Expedito Ferreira.

Para tanto, o recém empossado presidente do TJRN, em sessão solene na noite da segunda-feira, 7, destacou que a disponibilização de certificados digitais gratuitos, agilizaria a meta principal que é a baixa processual. “A Ordem dos Advogados, por exemplo, poderia avaliar essa possibilidade aos advogados, bem como o Ministério Público para os promotores de Justiça e o acesso ser facilitado a todos os agentes do processo”, define e completa: “queremos integrar todos os agentes. Partes, MP e OAB”.

O novo presidente da Corte também ressaltou que o momento exige a união de todo o colegiado e fez questão de destacar que o apoio aos gabinetes, com estagiários, por exemplo, é objeto de pauta, dentre as principais, a serem discutidas pela presidência.

“Precisamos estar juntos. O Judiciário estadual é como um avião. Precisamos chegar juntos ao destino”, compara, ao citar, contudo, que a abertura das atividades seria uma “mera formalidade”, já que o Judiciário não interrompe seus serviços. “Estamos sempre ativos, inclusive em feriados. Permanentemente funcionando, a fim de atender à nossa responsabilidade com todos”, conclui o presidente João Rebouças.

Com informações do TJ-RN

 

 

+ Leia também

VOLTAR