TJ-RN GPS-Jus: ferramenta tecnológica criada pelo TJ-RN facilita busca de informações processuais

Magistrados e servidores do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte contam com uma ferramenta poderosa como aliada na gestão de unidades judiciárias e definições de estratégias para enfrentar o acervo de processos existentes na Justiça potiguar. Trata-se do GPS-Jus, sistema que permite a consulta a dados estatísticos a partir das informações consolidadas dos três sistemas processuais atualmente em uso (PJe, SAJ e Projudi), abrangendo seis bases de dados diferentes.

Gerenciado pela Secretaria de Gestão Estratégica (SGE) do Tribunal de Justiça do RN, o GPS-Jus foi pensado para trazer informações essenciais, de modo prático e acessível, que possam ser usadas diariamente pelos servidores, juízes e desembargadores na gestão de suas unidades. Desse modo, o GPS-Jus disponibiliza para consulta direta do usuário informações e estatísticas que antes precisavam ter sua coleta solicitada à própria SGE ou à Corregedoria Geral de Justiça.

A ferramenta permite o acompanhamento das estatísticas e da produtividade das unidades judiciárias e de cada magistrado, possibilitando a gestão processual e a elaboração de relatórios gerenciais de produtividade de 1º e 2º graus. O GPS-Jus traz ainda ambientes relativos aos relatórios de Metas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e relatórios das variáveis do Justiça em Números, utilizados para aferir a produtividade do Poder Judiciário.

A ferramenta hoje já permite, por exemplo, a listagem de todos os processos conclusos para o gabinete do magistrado, seja para despacho, decisão ou sentença. O usuário pode definir os critérios para pesquisa, se deseja pesquisar o total de processos em uma comarca ou unidades específicas. Pode definir também parâmetros temporais.

“Se a Presidência ou a Corregedoria quiser ter um retrato de todas as unidades judiciárias e identificar qual delas tem o maior quantitativo de processos, para que possa ser designada uma força tarefa auxiliar, essa informação está disponível no GPS-Jus”, exemplifica a secretária de Gestão Estratégica, Karine Symonir. Também é possível ao magistrado, estabelecer uma ordem cronológica para julgamento de processos.

No ambiente “Gerencial da Vara” há uma série de relatórios disponíveis, como o de processos pendentes de baixa ou de pendentes paralisados há mais de 100 dias. Com essas informações o juiz pode verificar quais processos têm uma necessidade mais urgente de movimentação, a partir do tempo maior sem movimento, por exemplo. Também há relatórios sobre número de processos suspensos, acervo, audiências realizadas, entre outros. Os dados do Gerencial da Vara são atualizados diariamente.

A partir dos relatórios quantitativos gerados é possível consultar os processos listados e que se enquadram nos parâmetros de pesquisa. As listas trazem informações ainda como o sistema onde tramita o processo, seu número, classe processual, último movimento e data da última conclusão para sentença.

Karine Symonir ressalta a praticidade proporcionada pelo GPS-Jus ao dispensar o usuário de ter que acessar os três sistemas processuais para conseguir a informação desejada. “A informação está consolidada no GPS-Jus e já foi ajustada, tendo nível de alta confiabilidade, o que facilita o trabalho de monitoramento dos gestores”, afirma a secretária de Gestão Estratégica.

Novidades

Segundo a secretária de Gestão Estratégica do TJRN, Karine Symonir, o GPS-Jus está recebendo novas funcionalidades, com a disponibilização até o dia 14 de maio de novas opções de relatórios gerenciais. O objetivo é que o GPS-Jus tenha uma adesão cada vez maior. Para isto, aponta Karine, é necessário que a ferramenta faça parte do dia a dia do usuário. E é com este objetivo que a SGE tem incluído relatórios e funcionalidades que sejam considerados úteis para o usuário. Até o fim de 2018, o GPS-Jus trará tudo o que os outros sistemas já fornecem e que foram considerados essenciais.

Uma das novidades disponíveis a partir de maio, será um totalizador por classes e assuntos do Poder Judiciário. Com essa funcionalidade será possível identificar quais são as principais demandas recebidas pela Justiça Estadual, podendo-se determinar quantos processos sobre um determinando assunto ingressaram em determinando período, possibilitando estabelecer o histórico da demanda em um marco temporal.

Também será disponibilizado um relatório com o totalizador de cargas do processo, ou seja, quando ele é remetido para consulta seja ao advogado, procurador, ao Ministério Público, defensor público, ou a um perito.

Com informações do TJ-RN

 

 

+ Leia também

VOLTAR